Amigos do Banco Real Brasilia DF

RESUMOS ANTOLÓGICOS – 6 – Ao longe sons estridentes produzidos por pessoas são ouvidos. Aos poucos se aproxima e nitidamente as palavras de ordens podem ser percebidas. É uma passeata descomunal. Nela calcula-se que estão os 53,1% do eleitorado brasileiro. A reunião que não caberia em nenhuma praça foi no maior reduto conseguido, no Campo do Planalto Central, e o grito de ordem continuou: “O povo unido jamais será vencido”. “O povo unido jamais será vencido”. A alegria era geral. A satisfação estampadas nos rostos sorridentes atestava a euforia.
E o povo no parava de gritar e numa só voz em alto brado todos pediam, ou melhor, exigiam : “QUEREMOS CORRUPÇÃO, QUEREMOS CORRUPÇÃO. QUEREMOS ROUBALHEIRA, QUEREMOS ROUBALHEIRA.
Mais do que depressa o governo numa canetada atendeu ao pedido. Em nota afirma: “já que a maioria 53,1% do eleitorado quis, estamos instituindo oficialmente, por decreto, a corrupção e a roubalheira. Ficam sem efeito instruções anteriores”.
O povo pediu, o governo do povo atendeu com grande satisfação. - -\-\-00000-\-\- Uma coisa puxa outra e o decreto acima nem bem entrou em vigor já exemplarmente posto em prática.
Vamos deixar por enquanto o “carnívoro Petrolão” ser ensinado nas “ótimas” escolas e aos “ótimos alunos”.
Se em qualquer órgão governamental não for encontrado roubo e corrupção, o mundo, segundo Nostradamus, vai acabar com certeza.
La no velho Sergipe, numa cidade do interior muito pobre onde falta tudo e um povo miserável, só não falta corrupção e desvio de verbas da saúde, da merenda escolar, etc.etc efetuadas por 13 deputados que embolsaram mais de 12 milhões de reais. Esse roubo vinha acontecendo há anos e todos os deputados ficaram ricos e o povo da cidade pobre cada vez mais. É por essa facilidade em roubar colocada a disposição pelo governo federal que o Brasil navega no mar calmo da corrupção, no transatlântico luxuoso “Costa PT roubalheira”, a prova de afundamento. -\-\0000— Para não ficarem muito ácido “os Resumos”, uma notícia, vídeo, nos alegra e nos faz acreditar que ainda a gente humana. Sim, humana por praticar o bem. Pratica tão escasso em nosso tempo. Tempo de puro egoísmo, consumismo, falta de amor, de dádiva, de compreensão.
Refiro-me, ao Dr. Jim que vive numa cidade dos Estados Unidos da América, ilustre médico que largou o jaleco e passou a atender moradores de rua nos locais onde esses coitados vivem: em baixo de pontes, lixão, calçadas, becos. Toda a noite lá vai ele. Sacola de remédio nas costas vai ele examinar seus pacientes, que eu chamo pacientes amor. Esse bravo médico levou cura a muitos moradores e por esses o Dr. Jim é eternamente reconhecido. Como o bem é uma “planta” rica em nutrientes, crescer forte, e dá ampla “sombra”, alguns estudantes de medicina e alguns médicos estão seguindo os passos do “Papai Noel de Homens”, o Dr. Jim.
Parabéns, Dr. Jim. Fábio Belviso
29.12.14